Ainda no século XXI a liberdade religiosa é vista como um tabu para muitos. A verdade é que cada um escolhe qual caminho quer seguir, e muitas vezes, este caminho é alvo de críticas e provocações por quem não compartilha da mesma opinião.

DSC_0018 cópia

Pensando nisso, o “Ogã” (termo utilizado para uma espécie de sacerdote nas religiões de origem africana) Binho Duarte produziu um evento onde misturou o samba com afoxé (ritmo que entoa os mesmos cânticos dos terreiros).

A festa aconteceu no feriado de 15 de novembro, no salão 3 Irmãos e contou com a presença do grupo “Vem que é nós no samba”, que, embora tenha formação recente, demonstrou uma grande experiência no ramo. Ninguém ficou parado!

Outro destaque da ocasião foi a apresentação do Afoxé, quando teve início a grande roda de curimba para adeptos ou não ao candomblé. Uma cultura bonita, animada e com muita dedicação por parte dos integrantes.

Este foi o segundo evento do segmento. Segundo o produtor, a ideia é abrir as portas e convidar às pessoas a conhecerem um pouco mais sobre os costumes do candomblé, umbanda ou qualquer outra religião de mesma ideologia.

DSC_0064

“Precisamos unir forças contra a intolerância religiosa. Ninguém é dono da verdade, o mesmo Deus que é cultuado em qualquer igreja, templo ou algo do tipo, é aquele a quem Adoramos também, apenas de formas divergentes. Não podemos mais admitir que pessoas humilhadas pela opção religiosa.” Concluiu o ogã Binho Duarte.

 

Matéria e fotos: Rose Gorito / Click na Galera

rfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-sliderfwbs-slide